segunda-feira , 18 junho 2018
Home / Destaque / Horário de verão traz poucos benefícios para setor elétrico, diz Aneel

Horário de verão traz poucos benefícios para setor elétrico, diz Aneel

O diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino, disse nesta sexta-feira que o horário de verão traz atualmente poucos benefícios para o setor elétrico e, por essa perspectiva, seu acionamento não se justificaria. Rufino participa de sessão especial do Fórum Nacional, realizado no Centro do Rio.
Segundo ele, o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) — integrado pelo Ministério de Minas e Energia, Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e  Biocombustíveis (ANP) e Aneel — realizou avaliações e concluiu que houve perda de efetividade do horário de verão para a economia com o despacho de térmicas. Rufino explicou que o horário de pico de consumo no Brasil se deslocou do começo da noite para o início da tarde. “Esse horário de pico foi um pouco descaracterizado. Perdeu-se essa característica mais forte, com o consumo espalhado por outros horários. Então, você não precisa acionar térmicas mais cara no horário de pico”, disse o diretor-geral da Aneel. Ele disse ainda que a implantação do horário de verão, que é feito por decreto, será avaliado pelo governo federal pela ótica de outros setores, como da indústria e do turismo.

Bandeira Rufino reafirmou que as contas de luz do consumidor devem passar para bandeira vermelha em outubro, possivelmente no patamar dois. Segundo ele, essa seria a tendência pelo atual cenário, baseado num regime hidrológico desfavorável e despacho de energia de usinas térmicas cada vez mais caras. “O que podemos falar agora é de tendência.

A bandeira está vinculada ao CMO (custo marginal de operação), que é muito dependente de regime hidrológico, e a previsão de chuva. A tendência é que estamos com um regime hidrológico muito desfavorável, com chuvas atrasadas. A tendência é despachar térmicas mais caras”, disse ele. “Mas só saberemos na semana que vem”. A conta de luz está atualmente com bandeira amarela, o que significa um acréscimo na tarifa de energia elétrica de R$ 2,00 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. Ao subir para a bandeira vermelha em patamar um, esse acréscimo vai a R$ 3,00 por 100 kWh. Se chegar efetivamente ao patamar dois, que seria a tendência, o acréscimo nas contas é ainda maior: R$ 3,50 a cada 100 kW consumidos.

Veja Também

Jovem de 20 anos morre de infarto em Mandaguari

Um fato lamentável no inicio da tarde deste sabado (16), onde por volta das 13horas, ...