sábado , 16 dezembro 2017
Home / Destaque / Estado de greve e paralisação são aprovados em Assembleia da APP-Sindicato

Estado de greve e paralisação são aprovados em Assembleia da APP-Sindicato

Reunidos(as) em Curitiba, neste sábado (25), professores(as) e funcionários(as) debateram e aprovaram calendário de mobilização apresentado pela direção e pelo Conselho Estadual

O final de 2017 e início de 2018 serão de alerta constante para os(as) educadores(as) paranaenses. Os constantes ataques com ameaças do governo Richa (PSDB) e mais uma tentativa do governo Temer (PMDB) em aprovar uma Reforma da Previdência, levaram a categoria a aderir à greve geral chamada pelas centrais sindicais, no próximo dia 5 de dezembro, e também aprovar o estado de greve.

A direção da APP-Sindicato segue em estado de atenção diante da possibilidade de diminuição de salários dos(as) educadores(as), de manutenção das punições, da redução da hora-atividade na distribuição de aulas e da Resolução de Distribuição de Aulas. Assim, a categoria estará em Assembleia permanente, ou seja, poderá ser convocada a qualquer momento para deliberar ações do Sindicato.

Foram aprovadas ações de mobilização imediatas à publicação do Edital de Professores(as) do Processo Seletivo Simplificado (PSS), caso se confirme a redução de salários em estudo pelo governo do Estado. Além disso, várias propostas de atuações como pressionar os(as) deputados(as) estaduais, carta pública e realização de coletivos regionais foram deliberados.

Confira as deliberações da Assembleia Estadual:

– Estado de Greve:

– Reajuste salarial: 8,53% (01 janeiro de 2016 a 30 abril de 2017) para aposentados(as) e na ativa

– Resolução de distribuição de aulas: pelo cumprimento da lei da jornada 1/3 hora atividade e não ao ataque às licenças legais

– Contra a redução de salários dos(as) professores(as) e funcionários(as) contratados(as) pelo PSS

– Programa de Desenvolvimento Educacional (PDE): edital imediato e reconhecimento de mestrado e doutorado para fins de avanço na carreira

– Equiparação do auxilio transporte ao que é recebido pelos professores(as), reajuste do vale alimentação e pagamento do salário mínimo regional para os(as) funcionários(as) de escola que recebem menos que o mínimo regional

– Concurso Público para funcionários(as) de escola e professores(as)

– Não à militarização, autarquização, terceirizações de escolas

– Não ao fechamento de escolas

– Contra a aprovação da Lei da Mordaça (Escola sem partido)

– Contra a implantação do Novo Ensino Médio

– Retirada das faltas de greve

– Assembleia Permanente: categoria poderá ser convocada para deliberar ações da APP.

– Debate nas escolas dias 11 e 12 de dezembro: organização de assembleias de pais e mães para debate da pauta.

– Mobilização imediata contra qualquer retrocesso: PSS e Resolução de Distribuição de aulas.

 PSS:

– Fortalecimento dos Coletivos de Funcionários(as) e Professores(as) PSS em todos os Núcleos Sindicais

– Carta pública sobre a situação dos(as) educadores(as)

– Pressionar os(as) deputados(as) estaduais pela não retirada de direitos

– Debate com a comunidade escolar

– Contra os atrasos dos pagamentos no início do ano

– Documento “Pauta pela Legalidade – Contra o Retrocesso na Educação Pública do Paraná”: potencializar a entrega e o debate deste documento nas instituições, prefeituras, câmaras de vereadores(as), imprensa, lideranças, comunidade escolar.

– LOA 2018 / Lei Orçamentária Anual (PL 579/2017): mobilização na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) nas datas de votação da LOA 2018 ( indicativo na primeira semana de dezembro).

– Reforma da Previdência:

– Paralisação Nacional no dia 5 de dezembro

– Seguir as orientações nacionais

– Vigílias na casa dos(as) deputados(as) federais nos Núcleos Sindicais

– Debater com a categoria “Se botar para votar, a educação vai parar”

– Intensificar a campanha da CUT “Reforma da Previdência: Sua Aposentadoria vai acabar”

– 9 de dezembro de 2017: atos públicos nas etapas regionais da Conferência Nacional Popular de Educação (CONAPE) contra todos os ataques dos governos Federal, Estadual e Municipais à Educação Pública.

– Ações contínuas: recepções ao governador do Paraná e demais autoridades.

 Militarização:

– Moção de Repúdio contra a militarização (Colégio Estadual São José de Londrina)

– Seminários Estadual e Regionais

– Material para diálogo com a comunidade escolar

– Eleições de 2018:

– Campanha para não votar em candidatos(as) inimigos(as) da educação

– Reforçar os(as) candidatos(as) que defendem a pauta dos(as) trabalhadores(as) da educação

– Conselho e Assembleia estaduais: indicativo dias 26 e 27 de janeiro de 2018.

– Conselhos Regionais Extraordinários: até dia 25 de janeiro de 2018.

Veja Também

Ex vereador é acusado de disparo de arma de fogo em Mandaguari

A  Polícia Militar de Mandaguari foi solicitada a comparecer  na Rua Jorge Hamessi, na Vila ...